Piso para área externa, rústico e varanda

0

Escolher o piso para área externa, rústico e varanda é uma tarefa que requer atenção. Afinal de contas, além de bonito e de combinar com o restante do imóvel, o pavimento precisa contar com algumas características básicas. Como, por exemplo, com uma boa capacidade de resistir à água, já que espaços externos geralmente estão expostos à chuva.

Também é fundamental que este piso tenha boa durabilidade. Afinal, o impacto que a superfície externa sofre geralmente é mais intenso do que nos ambientes internos. Isso porque, há sempre a possibilidade de tráfego de carros, e da ação do vento e do calor, que desgastam mais intensamente a superfície do solo.

Ao mesmo tempo, um piso para área externa precisa ser áspero. Pavimentos lisos e escorregadios podem provocar acidentes, especialmente quando houver acúmulo de água sobre ele.

Em todo o caso, o consumidor ainda precisa avaliar o uso do espaço pavimentado. Se o objetivo for usá-lo para o lazer, é interessante que ele seja confortável ao toque, mesmo que áspero. Simultaneamente, não pode acumular calor, pois isso causaria mal estar nos indivíduos.

Já no caso do espaço ao redor da piscina, o pavimento não pode ser extremamente áspero, pois pode ferir os pés dos usuários, que geralmente andam descalços nesse local. Em ambientes em que há grande acúmulo de líquido, é essencial investir em um produto drenante, que elimine esse acúmulo.

Para que você possa fazer a melhor escolha, conte com o auxílio de um profissional. Um especialista no assunto, como um arquiteto ou engenheiro, pode indicar o produto mais interessante ao ambiente, avaliando todas as suas condições: do solo, do clima, objetivo de uso e outros.

Antes de tomar uma decisão, lembre-se ainda de avaliar as especificações técnicas do material, oferecidas pelo seu fornecedor.

Tipos de piso para área externa, rústico e varanda

Piso intertravado

Também conhecido como piso drenante, esse tipo de pavimento é montado a partir de uma série de “tijolos” de cimento. Eles são posicionados bastante juntos no solo, sem o uso de qualquer tipo de material colante (como o cimento). A pressão que uma peça exerce sobre a outra é suficiente para mantê-las imóveis e juntas, “intertravadas”. Por isso o nome do material.

Uma das principais vantagens deste tipo de piso é que ele é capaz de drenar a água que se acumularia na superfície do assoalho. Isso ocorre devido aos pequenos espaços entre as peças do pavimento, que permitem a passagem do líquido para o solo.

Assim que absorvida, a água é levada para o lençol freático, um reservatório natural sob o solo. É a partir deste reservatório que as plantas obtém boa parte da umidade que precisam para manter-se vivas. Elas absorvem o líquido por meio de suas raízes mais fundas.

Porcelanato

Existem dois tipos de porcelanato no mercado: o polido e o natural. Para espaços externos, é fundamental que apenas o natural seja utilizado. Isso porque, ele é mais áspero, garantindo a característica antiderrapante necessária ao piso. Ao mesmo tempo, o produto é bastante resistente. Ele pode ser encontrado por preços que variam entre R$ 40 a R$ 70 o metro quadrado.

Ladrilho hidráulico

Os ladrilhos hidráulicos, também chamados de mosaicos hidráulicos, são um tipo de cerâmica que não precisa passar por cozimento. O material é produzido de forma artesanal, e geralmente possui uma série de desenhos. Por isso, agrega bastante à decoração de qualquer espaço. O que o destaca para o uso externo é sua alta resistência, além da capacidade antiderrapante. Os ladrilhos são muito utilizados em passeios públicos, estacionamentos, bordas de piscina e outros.

Pavimentos de pedra

Quem deseja um pavimento de pedra pode investir, especialmente, em três delas: a Miracema, a São Tomé e a Ouro Preto. Primeiro, a Miracema: ela geralmente possui tom acinzentado, e compõe um espaço elegante. Já as pedras São Tomé aparece em variados tons em bege, enquanto as Ouro Preto são mais avermelhadas.

Fulget

Chamado também de granilite áspero, o fulget é produzido por meio da mistura entre o cimento, aditivos e fragmentos de pedra. Esses fragmentos podem ser de quartzo, granito, mármore, ardósia e outros, de acordo com a cor e estilo que o consumidor preferir.

Se desejar, o usuário também pode aplicar à massa corante específico. Isso para que o piso destaque as cores que poderão harmonizar com a decoração do imóvel.

Após aplicado no solo, o produto precisa ser deixado secar por alguns dias. Antes da finalização dessa cura, contudo, é necessário lavar a superfície, com a ajuda de uma máquina lavadora de alta pressão. Utilizando o bico em formato “leque”, o responsável pela obra retira do pavimento o excesso de cimento ali depositado. O método expõe parte dos fragmentos de pedra, tornando a superfície áspera e antiderrapante.

Granito

As pedras de granito são bastante características: elas possuem uma série de pontinhos pretos em sua superfície, independente de sua cor. Esses pontinhos são, inclusive, uma indicação da porosidade do produto, o que o torna irregular e antiderrapante. Em todo o caso, é fundamental que o granito não seja polido.

Cerâmica

Grande parte das peças de cerâmica são polidas. Contudo, estas podem provocar acidentes se colocadas em espaços sujeitos ao acúmulo de água. Por isso, na hora da adesão da cerâmica para áreas externas, é mais que essencial que ela seja adquirida em sua forma rústica.

Entre as vantagens dessa opção estão as diferentes cores e acabamentos disponíveis no mercado. Assim, a tarefa do consumidor em encontrar peças que combinem com seu estilo é bastante simples.

Desde logo, é necessário também destacar que a cerâmica é conhecida por absorver bastante calor do sol. Nesse caso, é interessante aplicá-la apenas em áreas que não sofram tanto com a incidência dos raios.

Mármore

São dois os tipos de mármore indicados, neste caso: o Travertino e Bege Bahia. Eles possuem visual mais rústico, e por isso evitam escorregões dos indivíduos. O mármore é ótima alternativa quando o objetivo é obter um espaço mais elegante e sofisticado. De qualquer forma, costuma ser necessário realizar manutenção constante da superfície, mais frequente do que se comparada à necessidade de cuidado com os demais pavimentos.

Madeira

Por fim, é possível aplicar a madeira em espaços externos. Afinal de contas, o produto é uma alternativa incrível para a criação de ambientes sofisticados. Ao mesmo tempo, o material transmite aconchego e conforto, potencializando a capacidade de espaços de lazer, como a varanda.

Há, porém, uma ressalva: a madeira colocada em área externa precisa ser tratada. Também irá demandar manutenção frequente, para que não sofra os efeitos dos raios solares e do acúmulo da água da chuva. Assim, é mais do que fundamental contar com o auxílio de um especialista no produto. Apenas assim o consumidor terá a certeza de obter tanto o tipo adequado de madeira, quanto o cuidado que vai garantir sua durabilidade.

Qual o piso ideal?

Apesar de todos os pavimentos citados serem opções interessantes de piso para área externa, rústico e varanda, alguns são mais indicados de acordo com o ambiente. Afinal, podem oferecer um up de benefícios a cada espaço. Acompanhe o piso ideal para alguns locais:

Varandas e sacadas

Para varandas e sacadas, uma das opções mais interessantes é investir em porcelanatos naturais. Além de resistente e antiderrapante, o material não contrai nem distende após sua instalação, mesmo que haja grande alteração de temperatura – algo comum em varandas e sacadas. Além disso, a enorme variedade de cores e padrões do material facilita sua harmonização com o restante da decoração do imóvel.

Piscina

Na área da piscina, é uma ótima opção utilizar pisos drenantes. Isso porque, o pavimento poderá diminuir o acúmulo de água no espaço, reduzindo ainda mais o risco de acidentes. De qualquer forma, é importante que o material escolhido seja atérmico, ou seja, que não absorva o calor do sol. Do contrário, ele se tornará desconfortável ao toque.

Se o consumidor preferir, pode também investir em um deck de madeira. Esse tipo de pavimento resulta em um ambiente mais sofisticado e atraente. No entanto, faz-se necessário tratar a madeira, para que ela não seja danificada pela umidade.

Piso para garagem

No caso da garagem, o consumidor precisa avaliar, especialmente, o tipo de contato que as rodas do carro têm com o piso. Um pavimento que solta “pedrinhas” pode acabar por facilitar o acúmulo desses fragmentos no pneu, por exemplo. Ao mesmo tempo, é interessante que o manobrar do veículo não cause muitos ruídos, pois isso pode ser bastante incômodo, inclusive aos vizinhos.

Deste modo, normalmente os pisos mais utilizados na garagem são os cerâmicos. Inclusive porque eles são fáceis de limpar e manter. Revestimentos de pedra são alternativas igualmente interessantes, e costumam ter grande durabilidade, mesmo sob impactos.

Área Gourmet

Uma área gourmet fica bastante sujeita à sujeira e, principalmente, ao acúmulo de gordura. Logo, seu piso precisa ser fácil de limpar, e não deve manchar. Assim, é interessante optar por materiais como a cerâmica e o porcelanato, que colecionam essas características.

Viu só como são diversas as opções de piso para área externa, rústico e varanda? Escolha o que mais se adequa ao seu espaço e estilo, e desfrute de todos os seus benefícios!

Leave A Reply

Your email address will not be published.